Sejam Bem-vindos Ao Meu Blogue!

Escrever é muito mais do que uma mera paixão, é uma parte de mim!
Na poesia, os pensamentos, as ideias e as emoções ganham vida própria, deixam de ser uma parte do autor e rompem a fronteira do "eu" , abraçando, assim, outras realidades, outras vidas.
Nélson J. Ponte Rodrigues

domingo, 5 de abril de 2015

Amor No Século XXI





Amor... Amor... Amor... Isso ainda existe?
Onde está escondido, então?
Conheço muitas formas de "amor" e nenhuma delas é amor!

Amam-se momentos, coisas, adornos, corpos, títulos, cargos...
Este é o "amor" dos nossos dias!
Ama-se tudo menos o outro!

Ama-se a música, mas não o cantor.
É mais fácil recordar o quadro do que o nome do artista que o pintou.
Ama-se o que não pode ser amado.
Nada disto faz sentido, mas este é o "amor" sem precedentes que tantos(as) conhecem.
Mancham a reputação do AMOR...
Amar implica dar e receber.
Acima de tudo, implica sentir e fazer sentir.

Amor, fecho-te a sete chaves
Dentro do meu coração.
Se ninguém o sabe ter
A luz do dia não a voltarás a ver!

Este é o amor do século XXI...
Leviano(a) aquele(a) que usa o seu nome
Sem nunca o ter decifrado, entendido.
Amar tornou-se numa palavra banal.
É tão fácil de pronunciar e soa deliciosamente bem ao ouvido.
Por vezes, é um premeditado gemido.

Amar...
Tal palavra não ouso dizer,
Pois não a sei dissociar do seu único e verdadeiro significado.
Adorar...
Todos nós adoramos algo ou alguém.
Amor...
Esse é um privilégio para alguns, uma agonia para outros...
Amar-se... Desse não prescindo.
Quem só adora, só pensa no agora!
A vida, assim, é bem mais fácil!

Se não é possível amar alguém na segunda pessoa do singular...
Então, é melhor permanecer aqui comigo...
Longe do cantar das sereias,
Dos ferrões das colmeias.
Não merece o teu amor
Quem só te quer nos momentos de calor!

Se não o podes ter,
Se não depende do teu querer,
Se não está ao teu lado ao amanhecer,
Se te faz sofrer antes de acontecer,
Se perdeste depois de o ter,
É melhor esquecer!
Nunca é tarde para estas lições aprender.

Adeus, Amor!

Nelson José Ponte Rodrigues
19-01-2015

Sem comentários:

Enviar um comentário