Sejam Bem-vindos Ao Meu Blogue!

Escrever é muito mais do que uma mera paixão, é uma parte de mim!
Na poesia, os pensamentos, as ideias e as emoções ganham vida própria, deixam de ser uma parte do autor e rompem a fronteira do "eu" , abraçando, assim, outras realidades, outras vidas.
Nélson J. Ponte Rodrigues

terça-feira, 30 de agosto de 2016

O Amor É Mesmo Assim!


De mais ou de menos... Não estamos a falar de amor, pois não? Quem ama já abdicou dessa teoria frívola e absurda há muito tempo. A paixão, as desavenças, os objetivos mútuos são finitos... O amor se for amor nunca termina, transforma-se. 
O ser humano procura muitas vezes um ser perfeito, idêntico relativamente às suas vontades e aspirações. Tal ser não existe nem nunca existiu. Fala-se tanto em amor. Fala-se! Não se sente. O amor é, na verdade, uma felicidade tão pacata que até chega a ser enfadonha. O amor tranquiliza, não inquieta. 
Algumas pessoas não querem ser amadas ou não sabem amar (ou ambas), isto é, querem um espelho de si mesmas (um outro "eu" com outro nome), um passatempo, um abrigo, um corpo bem torneado ou um bolso recheado. Amar é um ato complexo que alguns felizardos consideram tão simples e natural. A capacidade de amar (pessoas) está em vias de extinção. 
Recorrendo a pouca palavras: o amor é sereno, e a paixão turbulenta.  Surpreendido(a)?! O amor é mesmo assim! 
Aparentemente, a maioria vive grandes paixões. Logo, muitos transitam de paixão em paixão. A cama nem arrefece. Há logo outro que a aquece. Assim sendo, não amaram a outra pessoa. Quem ama, precisa de tempo para esquecer, precisa de tempo para renascer. Os apaixonados desconhecem tal necessidade. Porquê?
Os apaixonados partilham unicamente o seu corpo, os amantes entregam o corpo e a alma. É criado um vínculo. No amor, já não há dois. Há um, apenas. 
Todos falam sobre o amor. Creio que a palavra tornou-se banal! Contudo, poucos saboreiam o aclamado amor. Para amar, é preciso esperar, é preciso ceder às vezes! 
Apaixonar-se é fácil, amar já é mais difícil. É um processo moroso. Atualmente, o ser humano é demasiado impaciente. Tudo tem de acontecer rapidamente. Só há lugar para o prazer e folia. Ninguém quer sofrer. Porém, quem respira, sofre. É uma das leis da vida. 

Nelson José Ponte Rodrigues
29-08-2016

Sem comentários:

Enviar um comentário